COVID É RECONHECIDA COMO DOENÇA DO TRABALHO PELO TRIBUNAL DO TRABALHO DE SÃO PAULO

a3a447e5ff86419bb58cc023ace12d35

COVID É RECONHECIDA COMO DOENÇA DO TRABALHO PELO TRIBUNAL DO TRABALHO DE SÃO PAULO

O Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo reconheceu o COVID-19 como doença profissional. A decisão proferida na ação civil pública ajuizada contra os Correios considerou a falta de medidas internas efetivas para prevenção do contágio pelo COVID-19.

Isso porque muito embora os Correios tenham elaborado protocolo interno sobre medidas preventivas relativas ao COVID-19, deixaram de aplicá-las integralmente, expondo seus colaboradores ao risco de contaminação.

A decisão está em linha com as orientações da Nota Técnica SEI n° 56376/2020/ME do Ministério da Economia, a qual já esclarecia questões sobre nexo de causalidade entre o trabalho e o COVID-19 para fins de concessão de benefício previdenciário.

Há de se recordar que a referida Nota Técnica entendia que o COVID-19 poderia ser enquadrado no conceito de doença do trabalho quando a infecção pelo vírus resultar de condições em que o trabalho é executado/com quem o colaborador infectado se relaciona diretamente.

O nexo de causalidade entre a contaminação pelo COVID-19 e as atividades laborais deverá ser analisado em perícia específica para tal fim (ou seja, provado pelo trabalhador). O Supremo Tribunal Federal já havia afastado a presunção de classificação de COVID-19 como doença ocupacional, remetendo à análise de cada caso, contrariando o Ministério Público do Trabalho, que havia exarado a Nota Técnica GT COVID-19 n° 20/2020, por meio da qual o empregador havia ficado obrigado a identificar possíveis transmissores da doença e tomado as medidas preventivas, emitindo automaticamente as correspondentes Comunicações de Acidente de Trabalho (CAT) para colaboradores que testem positivo ou com casos suspeitos de contaminação.

Desta forma, a decisão proferida pelo Tribunal do Trabalho de São Paulo, de um lado valida a premissa de que a COVID-19 pode ser reconhecida como doença do trabalho, mas reforça a ideia de que devem ser analisadas as medidas levadas a cabo por cada empresa, ficando o aleta sobre a importância de observância dos protocolos.

Fonte. Andrade Foz Advogados.

Posts Recentes

MEI: quais as oportunidades para contadores?

MEI: quais as oportunidades para contadores? Hoje, mais do que nunca, o contador tem um papel estratégico dentro das empresas,…

Confira as novas regras para o registro de empresa

Confira as novas regras para o registro de empresa A IN 81 revogou uma série de Instruções Normativas, consolidando o…

AJUSTES CONTÁBEIS DE EXERCÍCIOS ANTERIORES

AJUSTES CONTÁBEIS DE EXERCÍCIOS ANTERIORES Os registros dos fatos contábeis são suscetíveis de erros, que poderão ou não interferir na…

Novo cronograma de obrigatoriedade da EFD-Reinf

Novo cronograma de obrigatoriedade da EFD-Reinf Com a recente simplificação das informações que são prestadas no eSocial, foi necessário também…

STF: Ações em favor dos contribuintes permitem a recuperação de mais de R$140 bilhões

DECISÃO JUDICIAL STF: Ações em favor dos contribuintes permitem a recuperação de mais de R$140 bilhões Levantamento da Fazenda Nacional…